sexta-feira, agosto 04, 2017

TATUAGEM




Trago tatuado no corpo,
o mapa do nosso passado.
São um sulco esvaziado
todos os rios, agora secos,
de uma vida na penumbra.
As montanhas que subimos
e cada vale que descobrimos,
cada meandro, cada sombra,
cada prado, cada planície,
que afloravas á superfície
de uma pele que te recebia.
O mapa, qual cicatriz do tempo,
cobre-me o corpo a contratempo.
Os rios que navegavas
já perderam o azul das águas,
e nas margens só as mágoas
se espalham na memória.
Olho hoje as íngremes montanhas,
(como me parecem estranhas!)
já não vejo os alegres cumes,
apenas escarpas agrestes,
rasgadas de todas as vestes.
O mapa, desvanecido de esperas,
perde as cores, perde a harmonia,
tatuagem negra,tatuagem de nostalgia.
São apenas linhas vãs,
que um dia foram caminho,
foram vida e valioso pergaminho.
Hoje é mapa a carvão traçado,
apenas uma tatuagem a lembrar

que um sonho pode acabar.



imagem retirada da net







terça-feira, agosto 01, 2017

ENTRE O CAOS E A ORDEM




Entre o caos e a ordem,
no meio caminho entre o sol e a lua,
nem sempre vestida nem nunca nua,
entre o nascimento e o ocaso.
Entre o caos e a ordem,
num oceano de lírios e violetas;
selvagens. Silvestres.
Discretas e agrestes.
Entre o caos e a ordem,
coração pleno e coração vazio,
agora fervente, já, já tão frio.
Num tempo mestre, no outro aprendiz.
Entre o caos e a ordem,
ora pairando em voo largo,
ora chorando em solo amargo;
ora livre em cais de esperança,
ora peado em penedia esquecida.
Entre o caos e a ordem,
entre o principio e o fim,
entre o não redondo e o perfeito sim.
Meio caminho entre o “quero” e o “não quero”,
entre o sei e o nem tanto assim.
Entre o caos e a ordem,
entre a candeia e a negritude,
meio termo entre o sonho e a plenitude,
vogando num rumo sem rumo,
penando num mundo sem mundo.
Entre o caos e a ordem,
uma bolha de sabão vogando sem norte,
vogando sem destino nem sorte.


sexta-feira, julho 28, 2017

ENTRE O AQUI E O AÍ - VAI UM MAR DE SAUDADES





Estou a olhar para as nuvens tentando ver para além delas, como se disso dependesse a vida.Como se tal me fosse permitido; sabendo eu, como sei, que não é. Ainda assim, olho – forço o olhar –, porque te quero ver! Nesse teu novo lar, nessa tua dimensão de paz e luz. O sol está envergonhado neste dia em que, insistentemente, relembro uma partida.Encobre-se comigo!
O sol vela-se para deixar brilhar uma outra luz – a tua –, estrelinha que cintila lá bem no alto. Sabes? Hoje a dor da saudade é mais mansa, mas nem por isso, menos intensa. 
Ao contrário; o tempo passa, mas este amplo espaço, que deixaste, continua vazio, tão dolorosamente vazio! Achas que algum dia deixarás de me doer?
E continuo a olhar para as nuvens. Vão mudando de forma pela mão moldadora do vento – ventania corroente -, resvalam, como lava, pelo céu sujo de tempo cerceado. Como maratonam estas nuvens de saudade! E eu esforço-me por ver através delas; para lá do que escondem aos nossos olhos. Estico-me, como criança de colo que quer ver os palhaços no circo, mas apenas vejo algodão branco, algodão cinzento, algodão rosado – algodão. As asas dos anjos que nos velam as noites (e os dias), os mensageiros de Deus, ou de um deus, ou de uma força superior, ou …
E as nuvens desfilam, em parada, sobre a minha cabeça; acabam por acalmar a dor, mascarar o vazio, calar as lágrimas que, invariavelmente, solenemente, dolorosamente, ainda caem, ainda inundam o rosto, as mãos - a vida. Talvez este desfile celestial seja um beijo teu… Tu sabes que eu adoro a natureza! Acredito que tenhas pedido ao Pai para me dar um sinal, um sinal que estás aí; perdão! Que estás AQUI!!!
É isso, não preciso de ver mais nada, procurar mais nada; já tenho tudo o que posso ter!

Minha estrelinha recebe um beijo meu daqui até aí. Hoje e sempre.





domingo, julho 23, 2017

UM NOVO ANO PARA VENCER




Uma névoa de lembranças sem nexo nem tempo,
espelham-se num sorriso sem cor - apenas sorriso,
sem noção de vida nem de morte.
Apenas um momento, este; o segundo em contra-tempo,
que o presente esvai-se sem rasto - impreciso.
Sem saber se é fraco ou forte.
Olhar sem ver, ver sem entender, apenas uma casca
que um dia foi habitada; teve alma, coração, sentir.
Ainda assim, está. Ainda assim sorri como criança,
que sem saber procura abrigo, inconsciente, da borrasca.
Que pede segurança, quem sabe um colo, sem pedir.
Um apenas existir sem noção nem lembrança.
 Uma vida de névoa, uma névoa de vida,
uma luta desigual, uma luta perdida,
uma sombra de gente, 
uma alma ausente.
Mas ainda assim.... Mais um ano de vida. (87)



Resultado de imagem para imagens feliz aniversário
Imagem retirada da net


UM ABRAÇO DE ABRAÇAR


Hoje fui ouvir o vento
forçando-se por entre a folhagem,
rosnando por entre os troncos a brincar à cabra-cega.
Hoje, a paz que vem por dentro,
trouxe-ma o vento à sua passagem,
conversando com a natureza em singela entrega.
Conciliábulo de força e vontades,
rumorejam as copas, bem lá no alto,
e o vento sopra, ardente, rente à vida.
Agitam-se as folhas, conjuram-se as verdades;
as mãos dos bons gigantes tomam de assalto
o ar, a tarde, o espaço, beleza emergida
das entranhas de uma terra sofrida.
Debaixo das copas agitadas e felizes,
detive os passos em silenciosa adoração.
Cabelos ao vento conversador,
coração em sintonia e alma pacificada, recolhida,
sacudida pelas mãos do vento, rijo, deste Verão.
Ouvindo as árvores no seu conversar apaziguador.
Como amoras de negra doçura e silencioso perdão.
Hoje fui ouvir o vento; sentir-lhe as mãos,
saborear-lhe o gosto nos lábios sequiosos de paz.
Hoje fui inundar-me de alegria,
vestir a pele da natureza, despir-me de sonhos vãos.
O sorriso fez-se fácil: sem razão, daqueles que apraz
sentir crescer. Verdadeiro, interior – em amena sintonia
com o rugir das árvores - e o bramir do vento.
Hoje fui vestir-me de mim ; em paz por um momento.

Se perguntarem por mim digam:
 Que parti – parti feliz… fui abraçar uma árvore; ouvir-lhe a voz.


Oiço o mar em terra adentro;
ondas bravias em célere movimento.
E vejo-as, verdes, agitadas, frenéticas,
de cá para lá… de lá para cá - eclécticas.
Os bons gigantes dançam ao som do vendaval;
gigantes de anciã elegância, roupagem sem igual.
Oiço o mar na ramaria, parecem marés vivas!
Contorcem-se os troncos, agitam-se as folhas esquivas.
Fecho os olhos para sentir este rumorejar,
quase sinto o salitre, quase toco o imenso mar.
Oiço-o em terra seca, em encosta de verde vestida,
ondulante como maré cheia em pleno areal estendida.
Frenética dança de folhas, hiperbólico perfume
espalhado pelo ar, chocalhado de ventania.
Um mar, em terra adentro, soprando o seu queixume

pelas copas verdes, despenteadas, em desenfreada melodia.